quarta-feira, 25 de março de 2009

Rascunho de gente (felicidade II)


Se tudo pudesse ser feito antes num rascunho, boa parte de nossos problemas seriam resolvidos. Por exemplo, poderia ter sido nascido antes num rascunho... Daria para ver, com a obra rascunhada, o que de bom seria, ou o que de ruim deveria ser refeito. Apagava um risco aqui outro ali e depois passava a limpo. Sairia bem melhor.
Chamo isso de um devaneio no silêncio da noite. Afinal, é assustador ver a ciência criando rascunhos de gente, aparando as arestas, pintando os olhos de verde, esticando a altura, reduzindo a largura. Uma promessa de perfeição.
De tão perfeito, já nasce morto.
A imperfeição é a vida humana em si. Cheia de contradições e confusões. A beleza humana eu diria, está na feiura da alma cansada de sustentar um mínimo que seja de singularidade.
Nas rua vemos as pessoas passadas a limpo. Uma sequência de mesmos... mesma moda, mesma cara mascarada da alegria passada a limpo. Uma felicidade desproporcional à sua tragédia.
O belo está escondido, triste e humano.
Mas, você que está lendo este rascunho, não pense que este humano que nasceu rascunho faz uma exaltação à tristeza. Bem, dizendo assim talvez até faça, mas o que está em jogo aqui é dar espaço à beleza do triste... A ilusão de receitas prontas para uma vida feliz é infinitamente mais triste que viver, com todas as lágrimas, dolorosos momentos de tristeza. A beleza do triste não é estática, mas tem movimento, passa. Cair é ter a chance então de sentir os joelhos ardendo, o gosto da terra e sangue. Mas, é também a imensa e momentânea alegria em curar as feridas e erguer-se da terra viva.
Imagem: arquivo pessoal

terça-feira, 24 de março de 2009

Felicidade

A regra geral dos dias correntes, é ser feliz

Mas, não seria um paradoxo entre o ser e a felicidade?
Você conhece alguém feliz?
Mas, por que essa exigência?

Bem, ser feliz deve ser muito bom.
Mas, parece-me que nessa confusão “só feliz” é quem sai ganhando
O ser, quanto trabalho, quanto esforço para manter-se feliz

As vezes cansa
Chora
Grita

Demonstra sua raiva, sua frustração
Depois volta ao imensurável solitário trabalho de ser feliz

Ser feliz é previsível, chato. Chega ao limite do bobo. Ri atoa.
Francamente, prefiro o Ser

Deixo o Feliz para breves momentos, intercalados com os demais afetos. Fazendo dos dias um espanto, cheio de surpresas.
Ser Vivo.

quinta-feira, 19 de março de 2009

Eu vou Viajar

Lá vou
Em busca de algo

O que emana uma força
Que parece ser louca
Tonta

Um amor fiel
Platônico

Um deus piedoso
Um céu azul

Gente inteligente
Como (ve)gente

Impossível
Maravilha!

Como a vida!

Procuro dentro de mim
Algo único.

Urbanóide

Muros grades portões
Cheiro de cola
Traficantes meninos

Pedra e pó

Trapos como roupas
A podridão que invade nossas narinas
O quase insano que arranca nossos orgulhos

Muros grades portões
Quantas chaves
Aniquilados
Amedrontados

É o hoje

Muros grades portões
Cidade grande
Grande demais

Punks
Hippies
Tribos
Medo

Ao inferno
Na próxima quadra

Sempre

Tempo Teu

Pelo teu presente
Escancarado
Sem pacote

Pelo teu passado
Mal passado
Bem passado

No tempo

Pelo teu futuro
Nada mais

terça-feira, 17 de março de 2009

Familiar


Estranho mundo novo
Admirável é para quem inventa
Arde nos olhos como pimenta
Céu estrelado é só o cosmos

Dores nas vidas cruas
Homens invisíveis e ágeis
Esquinas escuras, avenidas e ruas
Drogas, sexo e sangue

Arma branca
Pele negra
Arma negra
Pele branca

Pecado contém o caos
Igreja que confunde o bem e o mal
Estado viciado alienado
Crianças dormem debaixo do beiral

Curitiba cidade fria
Terra urbana desprotegida
País sul-americano
Deputado diz que bandido é “gente trabalhadeira”.
Imagem: arquivo pessoal

quinta-feira, 12 de março de 2009

Atraso

Só achando graça
Risada à toa
Ri para não chorar
Desgraça

Vida estranha pausada
Arranca do peito essa mágoa
Volte a cantar
Silêncio que provoca o nada

Cheiro de chuva
Acalma o calor
Tristeza é pouca
Cadê minha dor?

Tempo marcando um encontro
Com a roupa mais bonita
Vai depressa levando uma flor
Lá está ela toda cheirosa

Aproxima com beleza
Cheio de gente ao redor
Encosta a flor em seu peito
Não te esquece da tristeza

No fundo escuta um gemido
Vê seus olhos cerrados
Alguém lhe diz no ouvido
Se despede... Tempo esgotado

terça-feira, 10 de março de 2009

Prosa Poética - "Posso!"

Pergunto e eu mesmo respondo
Respostas desses sonhos insanos, tiranos, alienados
Sonhos em forma de pesadelos, pesados, suados, calados

Como se fosse inútil
Como se sorrir fosse a ordem...
Como se não fosse necessário chorar

Respondo aquilo que sei
Já chorei... Acabou

Pergunto o que sei que sei, mas penso não saber, só para perguntar e
Quem sabe sorrir

Não quero mais perguntas
Não tenho mais dúvidas sobre a realidade

O que sou ninguém será e nunca foi
E o que fui me faz ser o que sou hoje

Orgulhosamente me apresento
Aqui estou numa quinta-feira
Manhã
De banho tomado e mente de carona num aglomerado de letras tentando exorcizar

Amor Tece Dor

Peguei o tempo
Segurei firme, mas escapou
Bichinho danado
Nem sei mais onde pousou

Peguei o tempo
O tempo da máquina
Da
Ti
Lo
Gra
Fia

O curso tinha tempo
Tempo de acabar
Mas, deixei o tempo passar
Fiquei o tempo do tempo da máquina acabar

Hoje
O tempo
A pressa
Passa

Tempo
Com
Pu
Ta
Dor

Tempo
Pu
Dor

Tempo
Dor

segunda-feira, 9 de março de 2009

sincronia

É
Definitivamente é
Está
Existe

Não resta dúvida alguma
Pedra sobre pedra

Uma imensidão de areia
Um deserto que não precisa de chuva.

O tempo não existe mais
Sincrônico
É

Dar as costas ao vento e se deixar empurrar
Cair

Se misturar na areia, na lama.
Ser envolvido pela água
Virar água

Ah, que tempo louco
O divã está lá
Todo retorcido

Qual dos Édipos?

Quanto tempo faz
Aqui estou de novo
Deu-me saudade

Primeiro um três, oito, meia
Depois um quatro, oito, meia
Hoje, sei lá que computador é esse.

Quanta revolta, tanta tristeza.
Vou repetir o que disse há quase sete anos atrás...
“Agora é hora de ler. E de produzir algo para o mundo e não só para mim.”
Talvez, completaria.

Seria bom ter uma certeza.
Que medo de tropeçar, de vacilar nisso que está nítido em mim
Mas, desta vez vou enfrentar, encarar isso de frente.
Tocar a vida adiante. Vencer na vida!

A vida é assim, como um quadro.
Está lá, aqui...
Se ela é uma desgraça, se ela é um sucesso, uma fortuna....
Está lá igualzinha para todos. O que cada um faz com ela é isso que importa.
Não se trata de vencer na vida, mas sim de viver apenas.

Viver apenas
Apenas, o que é?
Viver é tomar em mãos as rédeas de um destino.
Vencer na vida é vencer a si próprio
Perder a apatia, a passividade, a loucura, o gozo e vencer num desejo de viver

Ando mais psicanalista aqui.
Queria ser mais poeta.
Qual a diferença?
Talvez um escute e outro escreva.
Talvez um apresente o resumo intenso das emoções
E outro receba na íntegra as verdades da vida.

Sol

Após um passo olhei para trás Sol
A morte bailava com minhas palavras

Hoje ela só assiste
Perplexa
Encantada
Olhos vidrados

Vê-me da sombra em que vive
Às vezes dou umas voltas por lá

Meu mundo é sob o sol
Forte
Intenso
Nada modesto

Insano

quinta-feira, 5 de março de 2009

Aos pequenos

A gente cresce
Calma amiguinhos
A gente vai crescer
Vixi Maria!!
Quanta coisa a gente ainda vai viver.

A gente cresce
Para não dizer envelhece
Calma
Tudo vai dar certo
Um dia
Amaduresse

A gente cresce
Pensa que não?
Talvez não seja tanto assim
O pé, a mão
Tudo não cabe mais em mim

Será tão emocionante
Te ver daqui
Com tuas pernas, andante
Aventuras de saci.

terça-feira, 3 de março de 2009

Pato Lógico

Tudo isso é necessário?
Se sou ou não, o que importa ?

Firmar objetivos
Ganhar dinheiro
Comprar um carro

Escrever um livro
Deixar recado
Pedir fiado

Ter uma mulher
Amar alguém
Odiar também

Parar de fumar
Envelhecer
Fumar

E se não bastasse morrer, ainda sofremos, penamos.
Claro que sorrimos, sentimos a vida nos arrepios de nossos pêlos.

É isso o que buscamos?
Arrepios?
E se não bastar?
E se eu quiser voar?

O que é que faz mover os homens?
Qual é a sensação mais intensa
A mais incrível
Aquela que nos faz olhar o céu com risos ou lágrimas?

Extremos.

Hesito

Há um buraco

Entre o ser
E o querer ser

Entre sonhar
E os sonhos a Realizar


Quem é o primeiro a se jogar?

Evolução

Não, não quero mais!

Como criança que desiste da ciranda...

O resto de bicho
Cria força e vai de encontro a sua presa!

O resto do humano.

domingo, 1 de março de 2009

Um mais Um


Que loucura esse ser apaixonado, tímido, calado
Que anda nas sombras olhando para luz

Agonia de só olhar, apreciar
Alívio de sonhar

Sonhos de tocar, beijar
Sonhos de falar, expressar

Mãos suadas escondidas nos bolsos
Olhar perdido, surpreendido, envolvido por um encanto

Alimentando um desejo
Sorrindo num sonho

Que loucura sonhador
Que por uma sorte
Ou azar

De estar vivo
Fica apenas em sonhar

É ela
Um anjo
Seus beijos
Tocá-la

Quanta embriaguez
Mágico é vê-la sem ser notado

Sei de seus defeitos
Sei de seus risos
Sei de suas lágrimas

Sei que dela eu tenho parte
E ela
Sempre parte com um pedaço de mim.
foto: Obra de Josué Demarche - local Museu Oscar Niemeyer