terça-feira, 21 de outubro de 2014

terça-feira, 14 de outubro de 2014

A Letra

"nos perderemos entre monstros da nossa própria criação"
Sem fio, nem pedra, nem pão.
Me disseram no rádio que a saída é ir sempre em frente. Pegadas são marcas que ficam para trás. Apenas pegadas. 
Aonde se põe o pé é que interessa no próximo passo.
Apesar de já ter ido e voltado tantas vezes, só para confirmar que lá já estive, em caminhos tão seguros, conhecidos. E por um bom tempo, sei que estava ali com meus monstros e minhas nostálgicas pegadas familiares.

"Mistério sempre há de pintar por aí".
Ali, aonde o chão é novo.
Do inevitável encontro.
Querido e temeroso. 
O que será que tem ali?

Desejo?
Necessidade?
Ou vontade?