sábado, 28 de fevereiro de 2015

Rolo de filme

Neste sábado nublado com seus cinquenta tons de cinza, sabendo que os embalos de sábado à noite não são mais os mesmos, pois um sonho de liberdade foi embora e só ficou o cheiro do ralo, eu pensei que se a vida é bela e se temos bons companheiros, não tem porquê dizer corra Lola corra!
Vamos abrir as asas do desejo,  coloque seu veludo azul, coma uns morangos silvestres e chame um taxi driver.
Mas, se isso te dá gritos e sussuros, lembre-se que você não é um ET e que o medo devora a alma.
Enfim, fale com ela, viva o amor à flor da pele, pare de ficar procurando o Nemo que isso pode ser uma psicose e faça com que a vida tenha gosto de cereja!
Se a vida imita a arte, que seja  numa outra direção pois, se assim caminha a humanidade, parece que estamos numa fogueira das vaidades.

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Passos líquidos

A chuva chegou avisando lá de longe.
Não lhe dei ouvidos.
Ela enfurecida, trovejou.
Lhe dei as costas.
Continuei andando.

A chuva chegou devagar.
Um pingo aqui
Outro lá.

Não parei.

A chuva falava sério
Avisando que ia enxarcar
Pingo grosso

Um
atrás
do outro.

Molhando tudo
Fazendo rio na calçada
Deixando gente apressada
Mas, não corri.
Virei sopa ambulante.

Aqui estou agora
Todo molhado.

Não liguei muito.
Tudo seca.
Sem exceção, 
se não molhar,
tudo seca!